Atenção à disponibilidade do leite em 2021

22/01/2021



Apesar dos graves problemas de seca, principalmente no sul do Brasil, e dos elevados preços do milho e da  soja, o cenário de mercado no final de 2020 “conspira” para uma boa disponibilidade de leite no início de 2021. Aqui, tentamos analisar o cenário de produção para o início do ano e as perspectivas de importações.  Na produção de leite, apesar da forte queda de preços no leite spot para a segunda quinzena de dezembro/2020 (vamos lembrar, que a média Brasil  recuou 50 centavos por litro), os valores (média Brasil Cepea) pagos ao produtor em dezembro pelo leite de novembro foram quase 10 centavos maiores do que os preços pagos em novembro – desta forma, o ajuste de mercado, já realizado no spot (teria sido exagerado?), ainda não chegou ao produtor e, pelo contrário, os sinais de mercado são absolutamente divergentes neste momento. Coisas do mercado do leite. O fato é que, dado este cenário de preços ao produtor, associado à uma redução (não muito expressiva, é verdade) dos preços de milho e soja, levam a rentabilidade do produtor de leite, medida pelo RMCR, a patamares historicamente muito elevados. Com efeito, a rentabilidade média do produtor de leite em dezembro/20 é 36% maior do que foi em dezembro/19 e em janeiro deste ano. Assim, apesar de todos os problemas trazidos pela falta de chuvas, é de se esperar uma aceleração da produção no início de 2021, em função desta excelente rentabilidade auferida pelo produtor de leite. Mas, o que melhora de um lado tende a piorar do outro... Os elevados preços internos do leite ao produtor (lembremos que a média Cepea de dez/20 foi de R$ 2,13/ por litro, quase US$ 0,42 por litro) aumentam a competitividade do produto importado de origem no Mercosul.  Ao preço efetivo das importações brasileiras de novembro/2020 (US$ 3.053/ton) e a uma taxa de câmbio de R$ 5,25/US$ (hoje, dia 29/12), o produto importado equivale a um leite de R$ 1,90/litro nas fazendas brasileiras; usando a referência do último GDT (leite em pó a US$ 3.210/ton), o importado entra no nosso mercado a preço equivalente de R$ 2,01/litro – ambos valores mais competitivos do que os R$ 2,13/ litro da média Cepea de dezembro/2020. Produção com rentabilidade historicamente elevada e importações competitivas. Este é o cenário deste início de 2021 – ressalvo aqui que o efeito dos problemas climáticos, notadamente no sul do Brasil, tende a reduzir um pouco o efeito da boa rentabilidade momentânea dos produtores de leite. Assim, tendemos a entrar em 2021 com uma boa disponibilidade de leite. Resta saber como estará a demanda, o lado que paga a conta da cadeia produtiva. Economia em recuperação, mas, provavelmente, sem auxílio emergencial; preços da indústria ao varejo caindo para as principais commodities lácteas. São muitos os sinais de mercado e bastante divergentes. Observemos o que o futuro de mercado nos reservará.